30 de janeiro

saudade

saudade é uma camiseta velha encontrada no fundo do guarda-roupas. é a foto da gente de cabelo de tigelinha no quintal em 1995, é chocolate de guarda-chuva, cheiro de café torrado, suco de amora. é o muro da casa da vizinha que agora está mais alto, a coleira do cachorro esquecida debaixo do tanque, bolinho de chuva às 3 da tarde em dia de semana. saudade é uma rua, uma porta, uma casa, é saber onde estava descascado na parede da varanda. saudade é uma música velha que a gente nunca mais ouviu, é uma passagem de ônibus amarelada no meio de um livro, é uma dedicatória. saudade é um raio de sol que entra pela janela e deixa a sala alaranjada, é uma colcha de retalhos, um sapato de balé. saudade é uma roseira no gramado do quintal, são as marquinhas de centímetros de altura no batente da porta, é um nome que a gente não lembra mais, é uma risada que chama a atenção. saudade é um fim de semana na praia, e só choveu. é um jogo inventado para matar tempo, um moletom emprestado, o medo de trovão. saudade é desenhar com sombra na luz da vela, é um desenho de giz, uma música de ciranda, uma blusa de lã, um problema de matemática. saudade é chuva de verão, noite de inverno, bolo de fubá, o barulho do mar. é uma parede pintada, um frasco de perfume onde sobram 3 gotinhas que ninguém teve coragem de usar, é uma cicatriz no joelho. saudade é um jeito de falar, de arrumar o cabelo, de bocejar e piscar os olhos. é um jogo de taças, uma garrafa vazia, uma ressaca. saudade é uma penteadeira, um bule e uma receita de doce de leite. uma língua diferente, uma palavra que ninguém mais fala, um céu de noite de verão, uma cidade a 700 quilômetros de distância. saudade é rir sozinho, chorar assistindo a um filme, é mandar mensagem, inventar história, escrever carta. saudade é abrir um álbum de fotografias, fechar os olhos e lembrar os detalhes do rosto. é uma festa de aniversário com brigadeiro e bala de coco. saudade é o cheiro de churrasco no domingo de manhã, é um disco dos beegees, é uma moda de viola. saudade é um caminhão estacionado do outro lado da rua, alguém batendo palmas no portão, uma voz que vem da cozinha. saudade é um oceano de distância, um abraço que já já chega, uma tarde que nunca mais volta, uma cadeira vazia na varanda de casa onde ninguém mais tem vontade de sentar.

Advertisements

2 thoughts on “30 de janeiro

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s